Documento sem título
Voltar
Documento sem título
  
Saturday, 23 de June de 2018

Artigos

Vale a pena investir nos meninos

*Dr. Edson Baldoino Júnior

Os meninos da Vila são a sensação do futebol brasileiro. O entrosamento dos garotos acontece dentro e fora de campo e não é por acaso. Formados nas categorias de base do Santos Futebol Clube, eles jogam juntos desde a adolescência. O Santos tem essa característica de time formador de craques, sendo essa a quarta geração de meninos da Vila. Investir nos jovens talentos já rendeu bons lucros ao clube.

A tendência é que os clubes busquem formar ainda mais atletas, pois com as mudanças na Lei Pelé ficou mais vantajoso investir nas promessas de futuros craques. Ou melhor, o investimento feito pelos clubes nos jovens talentos será melhor recompensado. Esta semana o atacante André foi vendido para o Dínamo de Kiev por oito milhões de euros e metade dessa quantia foi para os cofres do clube.

Com as alterações na lei, aumentou o repasse de verbas aos clubes formadores, tanto de jogadores de futebol quanto de atletas olímpicos. Ou seja, o clube formador pode concluir o primeiro contrato do atleta por cinco anos, com direito de preferência a um novo contrato de três anos. Dessa forma, acabou a festa dos empresários que levavam os atletas dos clubes de origem sem dar nenhuma vantagem para quem investiu no atleta.

Além disso, o projeto reforça a compensação financeira oferecida ao clube formador conhecida como mecanismo de solidariedade. O clube terá direito a até 5% do valor investido no atleta em transferências nacionais, sendo 1% por ano de formação de jogador de 14 a 17 anos e 0,5% quando a idade for de 18 ou 19 anos.

Outro ponto importante é, se as alterações forem aprovadas, que a nova lei torna nulos de pleno direito os contratos firmados entre empresários e atletas menores de idade. A proposta ainda estipula a multa a que o jogador poderá ter direito se o clube rescindir o contrato, variando de um mínimo de 100% do restante a ser pago até o término do acordo e um máximo de 400 salários mensais. Para as transferências internacionais, não haverá limite para pactuar multas.

Contudo, a grande importância dessa nova regra é garantir aos clubes que o investimento feito em jogadores mirins tenha retorno. Assim sendo, também haverá maior interesse por parte destes clubes em descobrir e subsidiar jogadores cada vez mais.


Baldoino Advogados